[./avc_1.html]
[./noticias.html]
[Web Creator] [LMSOFT]

COMO PREVENIR OS ACIDENTES VASCULARES CEREBRAIS?


          Existem vários estudos a respeito da prevenção primária do AVC, ou seja, prevenção para quem nunca teve um AVC, nem AIT. Para os que já o sofreram, existe a prevenção secundária, que deve ser orientada e/ou prescrita por um especialista, preferencialmente um médico neurologista.

            Um estudo prospectivo realizado nos EUA e publicado na revista Circulation em 2008 (Circulation. 2008;118:947-954.) acompanhou quase 115.000 pessoas, de ambos os sexos, desde 1986 a 2002, monitorando periodicamente vários dados sobre a saúde dos participantes, incluindo hábitos de vida. A idade média dos participantes ao início do estudo foi de 50 anos para as mulheres e 54 anos para os homens.
            
            Os resultados mostraram que 50% dos casos de AVCs isquêmicos são decorrentes de um estilo de vida não- saudável. Para os AVCs hemorrágicos, também houve redução do risco relativo, mas com valores estatisticamente insignificantes. De acordo com tal estudo, a redução do risco de AVC com estilo de vida saudável (fatores mencionados abaixo) deu-se apenas para os AVCs isquêmicos.

            Uma combinação de fatores presentes no estilo de vida dos participantes do estudo (e também todos já comprovados com outros estudos) foi associada substancialmente com a redução do risco de várias doenças crônicas: 70% das doenças cardiovasculares, 80%  das doenças coronarianas e 90% dos casos de diabetes foram atribuídos ao estilo de vida não saudável. Entre homens e mulheres de 70 anos ou mais, 61% das mortes cardiovasculares teriam sido evitadas através de hábitos saudáveis (citados adiante).

            Resumindo, mais de 50% dosAVCs isquêmicos ocorridos na população estudada teriam sido evitados se tais pessoas seguissem o estilo de vida saudável. Falando agora em riscos, entre os homens com estilo de vida saudável, o risco relativo da ocorrência de AVC foi de 0.21, e entre as mulheres, de 0.19, comparando-se os que tinham os hábitos mais saudáveis com os que tinham os hábitos menos saudáveis (estes últimos com risco relativo de 1).
RECOMENDAÇÕES PARA A PREVENÇÃO DO AVC:

1- Mudança nos hábitos de vida:

            - Não Fumar, ou parar de fumar (fumantes passivos têm os mesmos riscos dos fumantes ativos);

          - Realizar atividades físicas periódicas: no mínimo 40 minutos diários de atividade física    
                        aeróbica (moderada a vigorosa), no mínimo 4 vezes por semana;

          - Dieta balanceada:   consumir pouca gordura trans e saturada, pouco sal, consumir carnes
                        brancas (peixe / frango) e evitar carnes vermelhas, consumir de frutas, vegetais, soja e nozes,
                        cereais, fibras, e usar de suplementação com polivitamínicos, quando indicados;

          - Evitar ou moderar o consumo de álcool:
                        Limite máximo de 15g/d para mulheres e 30g/d para homens;
                        Vinho: 150mL = 15 gramas de álcool // Cerveja: 350mL = 14 gramas de álcool
                        Destilado: 40mL = 13 gramas de álcool
                        * não é recomendado o uso de álcool , já que pode haver irresponsabilidade ou tendências ao                         consumo crônico exagerado, o que é muito prejudicial, além de aumentar o risco de várias outras                         doenças;
                        
          - Controle do peso: feito através do índice de massa corpórea (IMC=peso/altura ao quadrado),
                        que deve permanecer abaixo dos 25Kg/m2.

          - Controle do estresse: o estresse crônico aumenta a incidência do AVC;  

          - Sono de qualidade: a apnéia do sono aumenta a incidência do AVC;

2- Controle dos fatores de risco mediante acompanhamento médico:

          1- Controle da Pressão Arterial - se você tem história de Hipertensão na família, mas
                        ainda não tem o diagnóstico, monitore sua pressão arterial periodicamente nos postos de                         saúde. Se você é hipertenso, tenha sempre um acompanhamento regular com seu
                        cardiologista, para que a pressão permaneça sempre controlada.

            2- Controle da glicemia - se você tem história de Diabetes mellitus na família e nunca fez
                        exame, consulte um médico para avaliação. Se você tem diabetes diagnosticado, consulte                         periodicamente o endocrinologista para que a doença permaneça bem controlada.

          3- Controle do colesterol - se você tem história de problemas com o colesterol na família,
                        ou se você tem sobrepeso, ou mesmo se acha que sua dieta não é muito adequada, consulte
                        um médico para avaliar os níveis de colesterol. Se você já tem diagnóstico de dislipidemia
                        (aumento nos níveis de  colesterol) consulte seu médico periodicamente para manter os                         níveis de colesterol controlados.

          4- Controle do peso - apesar de já ter sido citado anteriormente, algumas pessoas têm                         dificuldade em reduzir o IMC apenas com dietas caseiras e atividade física. Também para                         essas medidas, especialistas devem ser consultados (nutricionistas e educadores físicos). Se                         tais medidas estão falhando, procure um endocrinologista para poder ajudar na diminuição                         do peso.

          5- Avaliação da condição das artérias cerebrais e cervicais
                    Pacientes que têm fatores de risco para doenças cerebrovasculares (idade acima de 50
                        anos, hipertensão, dislipidemia, diabetes, síndrome metabólica, infarto do miocárdio prévio,
                        AIT ou AVC prévio, fumantes) ou que já detectaram placas de ateroma em artérias cervicais
                        (carótidas) ou intracranianas, é fundamental a realização dos seguintes exames:

                        5.1 DOPPLER TRANSCRANIANO
                                    Para o diagnóstico ou acompanhamento da aterosclerose intracraniana, que é uma das
                                    principais causas de AVC no mundo. Se houver ateromatose intracraniana, deve ser
                                    repetido anualmente. Se houver estenose intracraniana, o exame deve ser repetido a
                                    cada 06 meses. Havendo somente os fatores de risco presentes, o exame deverá ser
                                    realizado a cada 02 anos.

                   5.2 Doppler de Carótidas e Vertebrais
                                    É importante para a detecção ou acompanhamento da evolução de placas de ateroma nas
                                    mesmas. Se houver placas nas carótidas, o Doppler de Carótidas deve ser repetido
                                    anualmente. Havendo somente os fatores de risco presentes, o exame deverá ser
                                    realizado a cada 02 anos.